CENTAURO
Grupo de Astronomia Amadora
Dois Vizinhos / Maringá - PR

| Inicial | Eventos | Astronomia | Recomendamos | Membros | Fale com a gente | Cadastre-se | Sobre o GCAA |

O SISTEMA SOLAR

Mércúrio, o mensageiro dos deuses
da Nasa

O pequeno e rochoso planeta Mercúrio é o mais próximo do Sol; gira velozmente em torno do Sol em uma radical órbita elíptica (não circular) que o aproxima a 47 milhões de quilômetros do astro antes de afastá-lo até os 70 milhões de quilômetros. Mercúrio conclui uma jornada em torno do Sol em 88 dias, acelerando pelo espaço à razão de quase 50 quilômetros por segundo, o mais veloz dentre os planetas. Porque fica tão perto do Sol, as temperaturas em sua superfície podem atingir escaldantes 467 graus centígrados. Mas a falta de qualquer traço significativo de atmosfera para ajudar a preservar o calor implica que as temperaturas noturnas podem atingir os 183 graus negativos.

Por estar tão próximo do Sol, Mercúrio é difícil de ser avistado da Terra, exceto no crepúsculo. Até 1965, os cientistas acreditavam que a mesma face de Mercúrio estivesse permanentemente exposta ao Sol. Mas os astrônomos descobriram naquele ano que Mercúrio completa três rotações a cada duas órbitas em torno do Sol. Portanto, virar a noite em Mercúrio implicaria em ficar acordado por 176 dias terrestres.

Como a Lua terrestre, Mercúrio quase não tem atmosfera. Os resquícios de atmosfera existentes são formados por átomos arrancados de sua superfície pelo vento solar, e a pressão no planeta é de menos de um quatrilionésimo da pressão da atmosfera terrestre ao nível do mar. A tênue atmosfera de Mercúrio é composta basicamente de oxigênio, sódio e hélio. Devido às temperaturas extremas da superfície de Mercúrio, os átomos atmosféricos escapam rapidamente para o espaço e são substituídos com grande freqüência.

Sem atmosfera que proteja a superfície, não há erosão causada pelo vento ou pela água, e os meteoritos não queimam devido à fricção, como acontece nas atmosferas de outros planetas. A superfície de Mercúrio se assemelha bastante à da Lua terrestre, marcada por cicatrizes, milhares de crateras de impacto resultantes de choques com meteoros. Embora haja algumas áreas de terreno nivelado, há também penhascos, com alturas de até 1,5 mil metros, formados por antigos choques com meteoritos.

A bacia de Caloris, uma das áreas de relevo mais marcante em Mercúrio, tem cerca de 1,3 mil quilômetros de diâmetro. Resultou do impacto de um asteróide contra a superfície do planeta cedo na história do Sistema Solar, e é uma das causas prováveis para as estranhas superfícies do lado oposto do planeta. Ao longo dos 500 milhões de anos que se seguiram, Mercúrio sofreu uma redução de raio da ordem de dois a quatro quilômetros, à medida que se resfriava depois de sua formação.

A crosta externa, conhecida como litosfera, foi comprimida e se fortaleceu a ponto de impedir que o magma do núcleo planetário atingisse a superfície, pondo fim, na prática, ao período de atividade geológica em Mercúrio. Há indícios do passado ativo do planeta nas planícies suaves da bacia de Caloris.

Mercúrio é o segundo menor dentre os planetas do Sistema Solar, maior apenas que Plutão, o mais distante dos nove planetas. Se a Terra tivesse o tamanho de uma bola de beisebol, Mercúrio teria o tamanho de uma bola de golfe. Visto de Mercúrio, o Sol pareceria quase três vezes maior que visto da Terra. Mercúrio é o segundo mais denso entre os corpos do Sistema Solar, depois da Terra, com um interior formado por um grande núcleo de ferro com raio de entre 1,8 mil e 1,9 mil quilômetros, cerca de 75% do tamanho do planeta e quase do tamanho da Lua terrestre. A camada externa de Mercúrio, comparável à camada externa da Terra (conhecida como manto), tem apenas 500 a 600 quilômetros de espessura.

Apenas uma espaçonave visitou Mercúrio até hoje: a sonda Mariner 10, em 1974/75. A descoberta da Mariner 10 de que Mercúrio tinha um campo magnético muito fraco, semelhante mas bastante inferior ao da Terra, foi uma grande surpresa. Em 1991, astrônomos usando observação por radar demonstraram que Mercúrio pode ter gelo oriundo de água nos seus pólos norte e sul. O gelo existiria dentro de crateras profundas. Os pisos dessas crateras vivem sob eterna sombra, de modo que o Sol não é capaz de derreter o gelo.

A Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (Nasa) está planejando uma nova missão a Mercúrio, conhecida como Messenger (acrônimo para missão de telemetria, geoquímica, ambiente espacial e de superfície de Mercúrio). A Messenger investigará questões científicas cruciais, usando um conjunto de instrumentos miniaturizados. Por que Mercúrio é tão denso? Qual é sua história geológica? Qual é a estrutura de seu núcleo? Qual é a natureza de seu campo magnético? Que materiais incomuns estão presentes em seus pólos? Que produtos voláteis são importantes em Mercúrio?

Mercúrio: dados-chaves

· Distância do Sol: 57.909.175 km
· Raio equatorial: 2,4397 x 10³ km
· Volume: 6,08272 x 10^10 km³
· Massa: 3,3022 x 10^23 kg
· Área: 7,48 x 10^7 km²
· Gravidade média na superfície: 3,7 m/s²
· Temperatura: de -173 a 427 °C
· Atmosfera: Hélio (42%), sódio (42%), oxigênio (15%) e outros


www.grupocentauro.org - Grupo Centauro de Astronomia Amadora - Dois Vizinhos - Maringá/PR - gcentauro@gmail.com