CENTAURO
Grupo de Astronomia Amadora

| Inicial | Eventos | Astronomia | Recomendamos | Membros | Fale com a gente | Cadastre-se | Sobre o GCAA |

Astrologia é ciência?
por Ricardo Francisco Pereira

O meu objetivo ao escrever este texto não é tentar convencer você, leitor, de que a minha idéia é a correta. Muito pelo contrário, o objetivo é fazer com que você reflita sobre o tema que está sendo exposto.

Em primeiro lugar vou tentar definir o que é astrologia e quais as suas bases, depois vou fazer minha exposição. De maneira simplificada, a astrologia consiste no estudo da influência que os astros teriam no comportamento e no destino do homem. Sua principal ferramenta é o mapa astral, em que as indicações dos planetas, do Sol e da Lua no horário e local de nascimento da pessoa servem de guia para entender a sua complexidade.


Os 12 signos do Zodíaco

Sete planetas, somados ao Sol e à Lua, são fundamentais para a compreensão do mapa astrológico de cada indivíduo. Tradicionalmente, a astrologia considera a interferência de sete corpos celestes para estudar as características dos seres humanos. Os três últimos planetas descobertos, Urano em 1781, Netuno em 1846 e Plutão em 1930, foram introduzidos na astrologia depois. No mapa astral é calculada a posição de cada um desses nove corpos no momento do nascimento. Como todos os corpos celestes do Sistema Solar tem períodos de rotação diferentes, pessoas que nasceram no mesmo dia, ano e local, mas em horários distintos, são diferentes.

Vamos pensar da seguinte forma: toda a astrologia se baseia em analisar as posições dos astros, mas ainda hoje, se usa um modelo Geocêntrico (Terra no centro do Universo) de Sistema Solar, mesmo depois de mais de 400 anos de esse sistema ter sido abandonado porque não era o correto. Hoje, o modelo utilizado pela ciência, é o "Modelo Heliocêntrico" (Sol no centro do Sistema Solar). Além disso, ela somente considera influências de dentro do Sistema Solar. Por que não se considera influências fora do Sistema Solar?

"Quasares" são objetos compactos, extremamente luminosos, que aparecem como uma estrela vistos da Terra. Eles são provavelmente núcleos de galáxias ativas, com um imenso buraco negro como fonte de energia. Eles produzem mais luz e energia que 1000 galáxias. Por que será que uma colossal energia não é considerada pela astrologia? As "supernovas" são explosões catastróficas de estrelas de grande massa no fim de suas vidas, durante a qual elas podem se tornar tão brilhantes como toda uma galáxia. Essas explosões liberam quantidades fantásticas de radiações dos tipos Raios-X e Raios Gama, quantidades estas letais para quaisquer formas de vida. Então, porque também não são consideradas pela astrologia? Um exemplo. "Eta Carina" é uma estrela da constelação de Carina, que está prestes a se tornar uma Supernova (distante somente 7500 anos-luz). Quando toda a radiação oriunda de sua explosão chegar à Terra, ela eliminará toda e qualquer forma de vida deste planeta.

A astrologia considera influencias de todos os planetas do Sistema Solar, mais a Lua e o Sol. Por que o único satélite natural que influência em nossas características é a Lua (com diâmetro de 3475 Km)? Por que se considera influências de corpos tão pequenos, tais como, Mercúrio (diâmetro de 4900 Km), e o tão longínquo Plutão (diâmetro de 2300 Km), e não se considera alguns satélite naturais, tais como: Ganymede (de Júpiter, com diâmetro de 5260 Km), Titã (de Saturno, com diâmetro de 5150 Km), Callisto (de Júpiter, com di6ametro de 4800 Km), Io (de Júpiter, com diâmetro de 3640 Km), Europa (de Júpiter, com diâmetro de 3190 Km), Tritão de Netuno, com diâmetro de 2700 Km), todos estes bem mais perto da Terra do que Plutão?

Sabe-se também que toda a base da astrologia está assentada sobre as constelações do Zodíaco. Isso também não é correto, primeiro: a astrologia considera somente doze signos que representam as Constelações Zodiacais ( Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário e Peixes) mas enquanto a Terra dá uma volta completa em torno do Sol no plano de sua órbita, ela passa na frente não de doze, mas de treze constelações! Não é considerado é a constelação de "Ofiuco", ou seja, você pode ser do signo de Ofiuco e não sabe. Além do mais as constelações não existem, elas não estão no mesmo plano em relação à Terra. Esta é uma visão nitidamente Geocêntrica. As estrelas aparentam no céu estar todas a uma mesma distância, mas esse fato não é real. As constelações foram criadas para que se dividisse o céu em setores para que pudessem ser mais facilmente estudados.

Além do mais, a Astrologia não considera o movimento de precessão (pião) da Terra. Esse movimento, por exemplo, já deslocou a posição dos equinócios de uma casa zodiacal a cada 2.000 anos ( o movimento precessional completa-se a cada 25.800 anos). Assim, que era de Áries, hoje é de Peixes. Quem era Virgem, hoje já não é mais!

Os astrólogos vivem reivindicando que a astrologia seja considerada como ciência no meio científico, mas até hoje não conseguiram, pois não provaram cientificamente que ela é válida, mesmo depois de vários estudos sérios sobre o assunto. Agora, leitor, você já pode refletir sobre os fatos apresentados e tirar as suas próprias conclusões para decidir se a astrologia pode ser considerada como uma ciência ou não.


www.grupocentauro.org - Grupo Centauro de Astronomia Amadora - Dois Vizinhos - Maringá/PR - gcentauro@gmail.com